Página Inicial

NUMEROLOGIA


Desde a mais remota Antigüidade os números vêm sendo utilizados para medir extensões e quantidades, dar forma inteligível a símbolos mitológicos e religiosos, fundamentar conceitos filosóficos, matemáticos, metafísicos e místicos e, ainda, estruturar as relações que regulam o ritmo e a harmonia da música, a métrica ou o ritmo dos versos. Na atualidade, os números, praticamente, são usados para representar abstrações da experiência objetiva. Nas escolas iniciáticas têm outra função. O número subjaz na raiz do Universo manifestado. Também, é impossível, por exemplo, fazer ciência sem o concurso dos números.

Há três sistemas básicos para representar os números: simples traços, correlação entre letras e números e algarismos arábicos. Entretanto, à medida que o homem progride e obtém trânsito ascensional ao conhecimento, fica cada vez mais patente o fato de que ele – homem – é o fator primacial, e que tanto sua necessidade de ordem quanto sua percepção do mundo (micro e Macro), impõem que suas descobertas e suas experiências sejam expressas sob a forma de símbolos e de conceitos com base em um sistema numérico específico. Assim, o número deriva, em última instância, do real (sensações e percepções objetivas) e do subconsciente (elementos subconscientes associados às percepções e sensações). Há, portanto, uma permanente dualidade, que se reflete e dá estrutura, sistema e ordem, particularmente a todas as religiões tradicionais, sistemas filosóficos e fraternidades iniciáticas. Nesse sentido, em todas as fraternidades místicas é dada importância fundamental ao estudo dos números, no que concerne à estrutura do micro e do macrocosmo.

Quando ainda não se conheciam os algarismos no formato arábico que se popularizou em todo o mundo civilizado, ainda assim a numerologia já existia, mas fazia parte do ensino dos Grandes Mistérios. Na Grécia antiga os filósofos iniciados procuraram dar um aspecto exotérico (externo) ao que conheciam nos Mistérios, já que não lhes era lícito entrar em detalhes.

O filósofo grego Pitágoras (século VI a.C.) é considerado o Pai da Numerologia. Ele estabeleceu uma verdadeira correspondência metafísica do número como arquétipo, símbolo essencial da vida. Platão (427-347 a.C.) fascinava-se com os números, dizia que eles governam o mundo, e os considerava “eternos e universais”. Ele acreditava que os números eram os únicos “elementos” que se poderia conhecer realmente, porque basta a razão para entendê-los. Podemos ver traços da numerologia nas obras de Aristóteles e de Hermes Trismegistus.

Mesmo a Bíblia tem seu livro mosaico chamado NÚMEROS. É o quarto livro do Pentateuco mosaico, e ele recebe esse nome não só pelo fato de Deus ordenar a Moisés que recenseasse o povo, mas também para retratar a formação do mundo chamado Homem.

Um bom numerólogo funde a sensibilidade intuitiva que partilha na Mente Universal com o conhecimento técnico e o aplica aos fatos da vida da pessoa, mapeando seus padrões psicológicos, indicando caminhos e atitudes que a levarão a conhecer-se, dependendo tudo, claro, do livre-arbítrio de cada um. Um bom numerólogo traça um panorama completo da vida da pessoa: afetivo, emocional, social, profissional, financeiro, e, principalmente, o aspecto espiritual cármico, promovendo a expansão da visão de vida e de consciência.

“A Numerologia vem sendo usada há milhares de anos, e hoje não é raro vermos artistas alterando o nome segundo os padrões da Numerologia. Entre muitos, podemos citar Jorge Ben (Jorge Ben Jó), Sandra Sá (Sandra de Sá).

Muitos casais buscam conciliar com a Numerologia o futuro nome do filho que está para nascer.

Também empresários buscam na Numerologia orientação frente ao competitivo mercado,
fazendo da Numerologia uma estratégia de vendas.

Enfim, a Numerologia não é uma crendice vulgar, mas uma ciência aceita pelas classes cultas de todo o mundo.
Mesmo as Empresas estão buscando na numerologia um meio para a seleção de pessoal do alto escalão,
visando estabelecer compatibilidades entre eles.”

“Os números, funcionando como arquétipos, tornam a numerologia um meio de acesso ao conhecimento
que está além da mente racional humana. O nome de uma pessoa revela traços marcantes de sua personalidade,
e sem um nome não podemos ser reconhecidos na sociedade.

O nome da pessoa associado aos números determina o seu grau evolutivo na grande RODA DA VIDA.

A Numerologia pode então determinar os pontos fracos e negativos da pessoa, pontos que, muitas vezes,
decorre do carma de outras vidas, e apontar as características mais marcantes que a pessoa pode
desenvolver em direção ao sucesso, que é a meta de todos nós.”

 

© Copyright 2010 - Numerologia Clássica, todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.